Rangel considera números do INE 'notícias encorajadoras'

O cabeça de lista da coligação PSD/CDS às Europeias disse hoje que apesar da primeira quebra do PIB em quatro trimestres, os números do INE são "notícias encorajadoras", pois mantêm-se o "crescimento homólogo positivo de 1,2%".

Após três trimestres a crescer, o PIB voltou a cair: 0,7% face aos três meses anteriores. Mas para a campanha da Aliança Portugal, que tem acenado com a recuperação económica e crescimento, este não é um revés. O cabeça de lista da do PSD optou por destacar o crescimento homólogo, que é de 1,2% face ao mesmo período do ano anterior.

A subida relativamente a 2013, faz com que Paulo Rangel considere os números do Instituto Nacional de Estatística (INE) "notícias encorajadoras", lembrando que se "mantém a tendência de crescimento" e em valores iguais "aos que estão inscritos no Documento de Estratégia Orçamental".

Paulo Rangel falava depois de uma visita à lota da Docapesca, em Sesimbra, onde houve uma abordagem mais crispada. Enquanto a comitiva passava, um dos trabalhadores não poupou nos apupos: "São uns mentirosos. Andamos a tarbalhar para alimentar esta cambada toda". Queixou-se ainda de ter estado privado de ir ao mar três meses e de ter tido dificuldade de "alimentar os quatro filhos". Ao contrário do que têm feito, os candidatos não pararam para responder.

Tanto Rangel como o número um do CDS na lista da coligação, Nuno Melo aproveitaram a visita à lota para destacar uma das bandeiras da aliança: "a economia do mar".

Rangel disse que Portugal tem o "ouro azul" e que é nos "recursos biológicos que nos próximos 10, 15 anos" pode estar uma das respostas para o crescimento do País.

Nuno Melo afirmou que deve existir uma maior preocupação da União Europeia relativamente à "segurança dos homens do mar" e defendeu um aumento da "quota pesqueira", desde que não afete a "sustentabilidade". Já Rangel, alertou que "não podemos reduzir a economia do mar às pescas", defendendo dar prioridade à "plataforma continental".