Quase mil dirigentes e ativistas da CGTP desfilam até à AR

Quatro mil dirigentes e ativistas sindicais da CGTP estão a desfilar em direção à Assembleia da República, em Lisboa, para protestar contra o conteúdo do orçamento retificativo que deverá ser aprovado esta quinta-feira.

"Contra a exploração, a luta é a solução" e "é preciso, é urgente, uma política diferente" são as principais palavras de ordem entoadas pelos sindicalistas que se deslocam para o parlamento, depois de terem participado num plenário de sindicatos, em Lisboa.

O Plenário Nacional de Sindicatos, órgão máximo entre os congressos, retificou a proposta de política reivindicativa para 2015 que a CGTP já tinha apresentado e que prevê aumentos salariais de 3%.

No final da reunião, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, convidou todos os sindicalistas presentes a desfilarem até à Assembleia da República para mostrar o seu descontentamento face às medidas de austeridade que têm sido implementadas pelo Governo e exortou-os a mobilizar, nas empresas, os trabalhadores para uma ação de luta "mais para a frente".

Arménio Carlos lembrou que 15 de outubro é a data-limite para a apresentação do Orçamento do Estado e que a CGTP e os seus sindicatos têm de "dar um salto qualitativo e quantitativo" em termos de protesto contra o orçamento que venha a ser apresentado.

O Plenário Nacional de Sindicatos da CGTP reuniu-se esta quinta-feira para analisar a situação sócio-laboral e ratificar a política reivindicativa da Intersindical.

Esta manifestação de dirigentes e ativistas sindicais, no dia da discussão e aprovação do segundo orçamento retificativo do ano, marca o reinício das ações de luta contra as políticas económicas e sociais do Governo.

Para a CGTP, o orçamento retificativo apresentado mostra que "o Governo não está vocacionado para inverter as suas políticas, mas, pelo contrário, está apostado em aprofundar esta política que continua a fazer dos salários e das pensões dos trabalhadores e dos reformados os seus inimigos principais".

No segundo dia do mês, a Inter aprovou a sua política de rendimentos, em que reivindica a subida dos salários em pelo menos 3%, com um aumento de, pelo menos, 30 euros por trabalhador.

A CGTP reivindica ainda o aumento do salário mínimo nacional para os 515 euros a partir de 01 de junho deste ano (com efeito retroativo), a sua atualização para os 540 euros em 2015 e para os 600 euros no início de 2016.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG