PSD desafia PS a falar sobre futuro da Segurança Social

O líder da bancada parlamentar do PSD desafiou esta terça-feira os candidatos à liderança do PS a dizerem "o que pensam" sobre o futuro da Segurança Social (SS).

"O PS está num momento propício para definir a sua posição" sobre o que é "uma das questões mais importantes para o futuro do País" no âmbito dos debates entre António José Seguro e António Costa, afirmou Luís Montenegro.

No debate sobre o veto do Tribunal Constitucional (TC) à Contribuição de Sustentabilidade, onde foi lida a mensagem do Presidente da República ao Parlamento sobre a matéria e também sobre o veto às reduções salariais, Alberto Martins (PS) acusou o Governo de, "reiteradamente, governar contra a Constituição, contra o TC, pela subversão do Estado de Direito".

Antes, o secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social insistiu na necessidade de "encontrar rapidamente soluções" para o futuro da SS, dado que as "medidas estruturais" propostas pelo Governo têm sido bloqueadas pelo TC, cuja leitura da Constituição "coloca em causa uma boa parte das medidas".

Agostinho Branquinho adiantou que "esta não é uma questão programática ou de cisão ideológica" mas que afeta o futuro de todos.

Pedro Filipe Soares (BE) contrapôs o nível de desemprego, pelo qual responsabilizou o Governo, como o principal factor que coloca "em causa as contas públicas".

Nuno Magalhães (CDS) contrapôs que o TC "não governa [nem] define o programa eleitoral do Governo", pois apenas lhe compete pronunciar-se sobre a constitucionalidade das leis em vez de julgar se uma determinada reforma é estrutural.

José Luís Ferreira (Verdes) lamentou que nem o Governo nem os partidos da maioria tenham dito, durante o debate, o que que pretendem fazer no próximo ano em matéria de Contribuição Extraordinária de Solidariedade (que o TC validou no passado).

Para João Oliveira (PCP), o que Governo, PSD e CDS fizeram hoje foi "dizer que vão encontrar novas formas de ataque aos pensionistas e aos reformados, mantendo em vigor a Contribuição Extraordinária de Solidariedade".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.