PS pede explicações a ministros sobre alta velocidade

O PS anunciou hoje que vai requerer a presença dos ministros das Finanças e da Economia em sede de comissão parlamentar, considerando que os dois têm de se entender sobre as ligações ferroviárias de alta velocidade.

Esta iniciativa foi transmitida aos jornalistas pelo líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, no final de uma reunião da bancada socialista.

"O PS faz um apelo para que os senhores ministros da Economia [Álvaro Santos Pereira] e das Finanças [Vítor Gaspar] se entendam" sobre o projeto de ligações ferroviárias de alta velocidade e, em segundo lugar, depois de se entenderem, "venham ao Parlamento explicar aos portugueses em que é que se entenderam", declarou o presidente do Grupo Parlamentar do PS.

De acordo com Carlos Zorrinho, o PS "manifesta enorme estupefação com o que tem ocorrido em torno [do tema] das ligações ferroviárias de alta velocidade" e, por essa razão, vai requerer a presença dos dois ministros na Comissão Parlamentar de Economia e Obras Públicas.

Nas declarações que fez aos jornalistas, o presidente da bancada socialista apontou que o ministro [de Estado e das Finanças] Vítor Gaspar começou por anunciar "a retoma do projeto, reconhecendo o Governo que há razão para se fazer uma aposta forte nas ligações ferroviárias de alta velocidade".

Porém, no dia seguinte, acrescentou Carlos Zorrinho, "percebeu-se que o mesmo ministro das Finanças a primeira coisa que fez foi transferir 700 milhões de euros que se encontravam num consórcio bancário para tapar buracos na Parpública".

Com esta opção, na perspetiva do líder parlamentar do PS, ficava então "desfeito o mito inerente à tese de que esses 700 milhões de euros estariam a secar a economia portuguesa e a evitar que as pequenas e médias empresas acedessem ao financiamento".

"Esses 700 milhões de euros foram retirados e não são para as pequenas e médias empresas, não são para dinamizar a economia, mas para tapar um buraco na Parpública", referiu, numa crítica ao Governo.

Neste contexto, Carlos Zorrinho afirmou que a surpresa aumentou ainda mais quando o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, "veio dizer que não tem conhecimento de nada" e que se houvesse alguma evolução no processo "seria apenas no próximo quadro comunitário de apoio".

"E hoje ficámos a saber que não há dinheiro previsto em Bruxelas para o projeto", disse.

Em síntese, para o presidente da bancada socialista, os ministros da Economia e das Finanças têm de "explicar todo este imbróglio aos portugueses".

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.