PS e BE questionam Rui Rio por saída de Castello-Branco

O PS e o Bloco de Esquerda (BE) tencionam aproveitar a próxima Assembleia Municipal do Porto para questionar Rui Rio sobre a saída do vice-presidente da Câmara, Álvaro Castello-Branco, para a Águas de Portugal.

A assembleia reúne-se pela primeira vez este ano na segunda-feira, 16, com uma ordem de trabalhos que tem dois pontos: apreciação e votação da proposta de aprovação da lista de candidatos a Juiz Social para o Tribunal de Família e Menores do Porto e informação do presidente da Câmara sobre a atividade e a situação financeira do município.

Se o primeiro ponto, ao que tudo indica, aparenta ser pacífico, o segundo deverá ser utilizado pela oposição para criticar a Câmara, a sua situação financeira e o seu presidente, Rui Rio.

Um das questões que o BE e o PS pretendem levantar é a da recente nomeação de Álvaro Castello-Branco para a administração da empresa pública Águas de Portugal.

Castello-Branco, do CDS-PP, é o vice-presidente da autarquia e presidente da empresa municipal Águas do Porto e a sua saída é a segunda baixa que o atual executivo municipal sofre em pouco mais de dois meses, depois do vereador Sampaio Pimentel, do mesmo partido, ter ido dirigir o Centro Regional de Segurança Social do Porto.

O deputado bloquista José Castro disse à Agência

"Quiseram assim dizer que eram diferentes, porque iam ficar até ao fim", assinala José Castro.

O deputado refere que a coligação elegeu este tema com o intuito de sublinhar "uma diferença fundamental face à candidatura de Elisa Ferreira e agora vai ter que entrar outro vereador, que vai estar meses a tentar perceber aquilo em que vai mexer".

O socialista Gustavo Pimenta ironiza dizendo que a saída de Castello-Branco poderá, "finalmente, permitir a Rui Rio arranjar alguém que tome conta da limpeza da cidade como deve ser".

"A limpeza da cidade é uma desgraça nas zonas que não foram concessionadas a privados, permanecendo ainda a cargo dos serviços camarários", reforça.

Gustavo Pimenta disse à

O PSD, nomeadamente, deverá sair em defesa de Álvaro Castello-Branco se a oposição o atacar, mas o social-democrata Paulo Rios vai mais longe referindo que "está na altura do partido cerrar fileiras à volta do presidente da Câmara" e da sua "proposta" para a cidade, "porque ainda há muita coisa a fazer".

Paulo Rios - que deixará de ser presidente da Concelhia do PSD no dia 28, quando for eleita uma nova equipa dirigente - prevê, aliás, que "a oposição vai crescer e vai acabar o estilo delicodoce do PS".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG