PS diz que se perdeu ano e meio na alta velocidade

O PS considerou hoje que o Governo perdeu ano e meio na construção da linha de alta velocidade ferroviária entre o porto de Sines e Madrid e defendeu que este projeto deve avançar já.

Estas posições foram transmitidas aos jornalistas por Óscar Gaspar, assessor para as questões económicas e financeiras da direção do PS e dirigente deste partido.

O ex-secretário de Estado da Sáude do segundo executivo liderado por José Sócrates começou por observar que, ao fim de ano e meio, o Ministério das Finanças comunicou na terça-feira que haverá financiamento para o projeto de alta velocidade.

"Durante ano e meio, o Governo vacilou e assim prejudicou a economia", porque "o projeto da alta velocidade ferroviária é muito estruturante para Portugal e o PS tem insistido que é necessário apostar aqui no sentido de dinamizar a economia nacional e, sobretudo, dinamizar as exportações", referiu o dirigente do PS.

Para Óscar Gaspar, no caso concreto da ligação ferroviária entre o porto de Sines e Madrid, "o investimento é essencial para Portugal e nunca deveria ter sido posto em causa por este Governo".

"A primeira reação que deveria ter existido é que o Governo reconhecia que recuou e, finalmente, ia avançar com o projeto de alta velocidade", disse.

Também segundo o assessor da direção do PS, na sequência da posição transmitida pelo Ministério das Finanças, no espaço de "poucos minutos", o Ministério da Economia emitiu um comunicado em que se dizia que o projeto da alta velocidade seria realizado em 2015.

"Isso é absolutamente inaceitável. O Governo, que é tão célere quando é para cortar e para impor sacrifícios aos portugueses, quando se tratam de projetos estruturantes acaba a adiá-los durante anos. Portugal precisa de investimento e de economia não é em 2015, é a partir de agora", contrapôs.

Óscar Gaspar referiu ainda o facto de terem saído notícias de que, afinal, a intenção do Ministério das Finanças não será o financiamento da alta velocidade ferroviária, mas "desviar cerca de 600 milhões de euros do projeto para a Parpública".

"Isso é inaceitável, porque o país precisa do financiamento da alta velocidade e, nomeadamente, da ligação entre o porto de Sines e Madrid", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.