PS diz que mais tempo para pagar empréstimo não chega

O deputado do PS Fernando Medina considerou hoje importante o alargamento do prazo de pagamento da dívida mas advertiu que isso não chega, lamentando a ausência de "sinais claros" de mudança do programa de ajustamento português.

Considerando que o acordo dos ministros das Finanças da União Europeia ao pedido de Portugal para alargar os prazos de pagamento dos empréstimos "é importante" e corresponde a uma proposta do PS, o deputado defendeu que era necessário uma resposta sobre as "questões dramáticas" que o país enfrenta, como a situação económica e o desemprego.

"Nós lamentamos que da decisão do Ecofin não tenham vindo sinais muito mais claros da alteração do programa português", afirmou Fernando Medina, em declarações aos jornalistas no Parlamento, no final da reunião com os representantes da `troika", FMI, Comissão Europeia e BCE.

Para o PS, "pequenos ajustes, como mais um ano para a consolidação orçamental, não são neste momento suficientes para enfrentar" a situação do país, disse, frisando que tem de haver "respostas concretas" para recuperar a economia que "está a cair cada vez mais".

"Uma estratégia de pequenos ajustamentos, ou pedir mais um ano, ou diluir o corte de quatro mil milhões de euros por dois ou três anos como tem sido pré-anunciado, em nossa opinião não são resposta para a situação", afirmou, acrescentando que, se a sétima avaliação não for mais longe será "uma avaliação falhada".

A posição do PS sobre este ponto, disse, insere-se na mensagem que foi transmitida hoje aos representantes da `troika", no sentido de que o "ajustamento precisa de alterações profundas para retomar uma trajetória de credibilidade".

"Consideramos essencial que se estabilize a procura interna, quer os rendimentos das famílias quer também a recuperação do emprego, isso é absolutamente essencial (...) parar com a adoção de mais medidas de austeridade" e "um sinal de que é necessário olhar para a dívida com uma trajetória de sustentabilidade de médio e longo prazo", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG