Presidenciais: Carvalho da Silva mantém tabu

Pressionado pelo avanço de António Sampaio da Nóvoa, que lhe disputará pelo menos parte do eleitorado, Carvalho da Silva continua no entanto sem nada dizer sobre a sua ponderação presidencial.

"Sobre isso não tenho nada a dizer", afirmou ao DN, hoje, o ex-líder da CGTP. Que acrescentou também ainda não ter um "timing" definido para esclarecer de vez se avança ou não.

Em fevereiro de 2015, numa entrevista à Renascença, o ex-sindicalista hoje coordenador do Observatório sobre Crises e Alternativas da Universidade de Coimbra afirmou que não é obcecado com uma candidatura presidencial, mas afirmou-se disponível para concorrer em 2016. Admitiu avançar, caso o processo de auscultação que está a fazer revele que essa candidatura faz sentido.

Um mês depois, numa entrevista à Antena 1, acrescentou: "Procurarei não defraudar estas posições e estar disponível." E acrescentou: "Não foi agora que despertei para este problema, sempre me pronunciei sobre isto. Não estamos perante uma novidade."

Já em Abril, novamente falando à Renascença, o antigo líder da CGTP recusou "comentar nomes" - quando confrontado com um eventual avanço (agora confirmado) de Sampaio da Nóvoa. "Em função da formalização de outras candidaturas logo verei", acrescentou. "A construção de uma candidatura é obrigatoriamente um processo coletivo. Neste momento não sou candidato", disse ainda: "Há muita poeira no ar. É preciso muita clarificação. É preciso muita identificação de fatores diversos."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG