PR não é "co-responsável pelas políticas do Governo"

Em entrevista ao "Prós e Contras", da RTP1, o Presidente da República considerou que apesar da austeridade e do elevado desemprego "não há desestruturação social" em Portugal e continua a existir coesão nacional.

"Apesar da austeridade, famílias em risco de pobreza, grande desemprego, vale a pena sublinhar que se mantém a coesão nacional, que não há desestruturação social no nosso país", afirmou o chefe de Estado, durante uma entrevista de cerca de meia hora ao programa "Prós e Contras" da RTP.

E, acrescentou, além de "não existir fragmentação social", o povo português tem manifestado um "grande sentido de responsabilidade".

Contudo, reconheceu, "é fundamental que os sacrifícios sejam melhor distribuídos".

Na entrevista, o chefe de Estado voltou também a falar do período 'pós-troika', reconhecendo que se Portugal tiver de renegociar a dívida é porque "as coisas correram mal".

"Se Portugal tiver de renegociar a sua dívida é porque as coisas correram mal ao nosso país e então eu não tenho dúvidas que nós passaremos dias piores do que aqueles que estamos a passar neste momento", admitiu.

O chefe de Estado escusou-se, contudo a fazer uma comparação entre a situação atual e aquela que se vivia há dois anos, mas lembrou que os credores de Portugal dizem que a dívida é sustentável.

"Estão convencidos que Portugal conseguirá no futuro gerar produção para pagar os juros e para pagar os empréstimos", sublinhou Cavaco Silva, gracejando que não será ele a dizer coisa contrária.

Sem querer falar da ação concreta do Governo, Cavaco Silva notou, contudo, que de uma forma crescente o executivo tem vindo a reconhecer que ao lado das contas públicas é necessário colocar o relançamento da economia e a criação de emprego.

Por outro lado, acrescentou, o maior partido da oposição, até pelos encontros que tem realizado nos últimos tempos, "reconhece que é necessário estabelecer compromissos para o futuro".

Apontando o relançamento do investimento como essencial para Portugal reencontrar o caminho do crescimento económico e da criação do emprego, Cavaco Silva voltou a insistir na necessidade "encontrar formas mais fáceis e mais baratas de financiar em particular as pequenas e médias empresas".

E, nessa questão, também há responsabilidade do Banco Central Europeu, que devia fazer algo mais para que o crédito fosse concedido em condições mais favoráveis.

A "magistratura de influência" foi igualmente tema abordado na entrevista conduzida pela jornalista Fátima Campos Ferreira, com Cavaco Silva a insistir na necessidade do Presidente da República atuar com "muita ponderação, muito bom senso e com sentido nacional, verdadeiro sentido nacional".

Cavaco Silva reiterou igualmente que o chefe de Estado "não governa e não é responsável, nem tão pouco co-responsável pelas políticas do Governo", cabendo à Assembleia da República "vigiar" o Governo.

"O Governo não responde politicamente perante o Presidente da República, falta de confiança do Presidente da República não é razão suficiente para o Presidente eventualmente dissolver a AR", repetiu, sustentando que a chamada 'bomba atómica' só deve ser utilizada em situações "muito especiais".

"Eu já disse publicamente mais do que uma vez, por toda a análise cuidada e profunda que tenho feito, chego sempre à conclusão, juntando toda a informação que recebo de outras entidades internacionais que se nós tivessemos uma crise política em Portugal, na situação que nos encontramos, os portugueses ficariam numa situação muito pior", referiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG