Portugal vive situação de "verdadeira emergência social"

O presidente da Comissão Europeia defendeu hoje em Lisboa "sensatez nas decisões e na maneira de as comunicar" como fator essencial para o sucesso dos programas de ajustamento, que requerem condições políticas e sociais de sustentabilidade". E disse que em Portugal se vive uma situação de "verdadeira emergência social".

Durão Barroso falava na sessão inaugural do Seminário Diplomático, subordinado ao tema "Projetar Portugal", que decorreu esta manhã na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Para o presidente da Comissão Europeia são necessários "compromissos e consensos" entre instituições, forças políticas e parceiros sociais.

Admitindo que em Portugal, à semelhança de outros Estados-membros da União Europeia, se vive uma situação de "verdadeira emergência social", Durão Barroso sublinhou que se torna "fundamental gerir os custos da contração económica" e ter em conta o seu impacto nas pessoas.

Daí que tenha afirmado que "a Comissão Europeia está naturalmente disposta a analisar as trajetórias de cumprimento dos programas e a fazer os ajustamentos e calibragens que se revelem necessários de forma a minimizar os custos sociais".

Durão Barroso defendeu que o discurso em torno da crise, e da eventual responsabilidade da União Europeia nessa mesma crise, se tem feito de "algum desconhecimento", mas até mais de "desonestidade intelectual", mas admitiu que a situação teve o condão de revelar "sérias deficiências", nomeadamente uma "construção imperfeita" na "arquitetura da união económica e monetária".

O presidente da Comissão Europeia afirmou que se avançou para uma moeda única sem políticas económicas "verdadeiramente coordenadas" ou instrumentos para fazer face a situações de instabilidade financeira, ou seja, "um navio preparado para o bom tempo que se revelou demasiado frágil quando veio a tempestade".

"A resposta que está a ser dada neste momento na Europa vai no sentido de resolver estas insuficiências. Estamos a construir um navio de maior porte no meio da tempestade e acho que todos concordarão que não é fácil construir um navio a meio da tempestade", declarou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG