Portugal já tem credibilidade para qualquer ajustamento

O eurodeputado Paulo Rangel considera que, neste momento, Portugal "tem uma credibilidade externa que lhe permite ser visto e compreendido pelos responsáveis pelo programa de financiamento de forma diferente daquela com que era visto em 2011".

Neste quadro, se a Troika ou o Governo "entenderem que é preciso algum ajustamento", "ao contrário de outros países", temos toda a credibilidade para o fazer, declarou aos jornalistas, à margem da Universidade de Verão da JSD, que está a decorrer em Castelo de Vide.

Rangel elogiou os cortes na despesa, mas recordou que é necessária uma "justa repartição dos sacrifícios", lembrando que há setores da economia não produtiva, como as PPP e também a banca, que "têm tido sempre um tratamento de exceção".

Acerca da RTP, embora admitindo que está numa "posição delicada", pois sempre defendeu "a não privatização", sublinha que "os portugueses votaram um programa de governo" que previa a alienação da televisão pública.

O eurodeputado elogiou ainda o esforço do Governo (e do ministro Miguel Relvas) e da Administração da RTP pelo esforço na "racionalização de custos de operação", que foi conseguida a e merece "aplausos", e espera agora que se encontre a melhor solução.

Lembrando que já criticara a forma como o cenário de encerramento da RTP 2 e da concessão a privados da RTP 1 foi comunicado por António Borges, o parlamentar europeu considera que, após as declarações de Passos Coelho em que o primeiro-ministro esclareceu que todas as soluções estão ainda em aberto, "o tiro foi claramente corrigido".

Acerca de uma eventual divergência entre o PSD e o CDS em torno deste dossier, Paulo Rangel foi muito claro ao afirmar que tem "a certeza absoluta que não há qualquer problema entre os dois partidos". E argumentou que, "conhecendo os presidentes dos dois partidos e o seu espírito de missão", não vale a pena os jornalistas andarem à procura de qualquer problema na coligação governamental.

A 10 ª Universidade de Verão da JSD está a decorrer em Castelo de Vide até domingo, dia em que Pedro Passos Coelho ali proferirá o seu discurso da rentrée política.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG