PM prudente sobre novas metas para 2014, diz Portas

O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou hoje, em Bruxelas, que o primeiro-ministro é "prudente" ao admitir a possibilidade de nova flexibilização das metas do défice para 2014, já que fatores externos tornam o objetivo atualmente fixado "difícil de atingir".

"Eu vejo essa matéria com serenidade. Toda a gente sabe o que eu disse à 'troika' e disse também ao país: que o objetivo do défice para 2014 podia ser difícil de atingir", afirmou Paulo Portas, à margem de uma reunião dos chefes de diplomacia da União Europeia, acrescentando que a dificuldade em atingir o objetivo de um défice de 4% do Produto Interno Bruto no próximo ano se deve a fatores externos.

Segundo o ministro e líder do CDS-PP, a dificuldade existe "não porque os portugueses não estejam a fazer um grande esforço - porque o estão e merecem respeito por isso -, mas porque a economia europeia se está a deteriorar", e, como a economia portuguesa é aberta, o país também sofre "com essa deterioração", que se traduz em "cada vez mais recessão" e "cada vez mais desemprego na Europa".

"Por isso é que os programas podem e devem ajustar-se à realidade. Daí que eu considere prudente a declaração que o primeiro-ministro fez no nosso parlamento admitindo a possibilidade de, no momento próprio e na circunstância certa, flexibilizar certos objetivos. E não tenho mais a acrescentar", afirmou.

Questionado sobre se aproveita as suas deslocações a Bruxelas para tentar sensibilizar parceiros europeus a aceitar essa flexibilização das metas para Portugal, Paulo Portas limitou-se a referir que "os contactos que cada um faz, e até para terem êxito, devem ser feitos no contexto dos calendários" que Portugal tem "na sua relação com os credores externos".

Na passada sexta-feira, durante o debate quinzenal na Assembleia da República, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, admitiu que pode vir a ser preciso uma nova flexibilização das metas em 2014.

"Não está excluído para o Governo que não seja necessário que flexibilidade adicional venha a ser requerida para 2014, não é de excluir que uma flexibilização das metas possa ser importante para 2014, mas, dentro do que está ao nosso alcance, devemos fazer o que está ao nosso alcance para respeitar os limites que acertámos", declarou então.

Já hoje,o presidente do Eurogrupo, de visita a Portugal, admitiu que Portugal poderá vir a ter mais tempo para cumprir as metas acordadas caso venha a ser necessário, acrescentando no entanto que, para já, não foi apresentado nenhum pedido pelas autoridades portuguesas nesse sentido.

"É muito importante que agora estejamos a trabalhar construtivamente em todo o ajustamento estrutural que é necessário, não só em Portugal, mas em toda a zona euro (...) Se, com bases nesses esforços (...), mais tempo for necessário, por causa da situação económica, então mais tempo poderá ser considerado nessa altura", disse Jeroen Dijsselbloem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG