PGR vai investigar "escutas ilegais" na sede do PS

A Procuradoria-Geral da República revelou que já abriu um inquérito para averiguar a queixa do Partido Socialista que diz estar a ser "alvo escutas ilegais".

Em comunicado, a PGR confirma a "entrada uma participação entregue pelo chefe do gabinete do secretário-geral do PS, relativa a eventuais interceções nas suas comunicações" e que de "imediato foi ordenada a instauração de inquérito para investigar tais suspeitas".

A queixa e o pedido de investigação do Partido Socialista entregue na Procuradoria-geral da República, confirmou fonte da direção ao DN, pede o "apuramento e investigação relacionado com dúvidas fundadas que os telefones, internet, conversas e outros meios da sua sede nacional podem estar a ser alvo de escutas ilegais".

O PS, acrescenta a mesma fonte, não fará comentários sobre este pedido de investigação que foi entregue à Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal, na passada sexta-feira, pelo chefe de gabinete de António José Seguro.

O pedido de investigação foi feito no mesmo dia em que o secretário-geral do PS anunciou o fim das negociações com o PSD e o CDS/PP, sem qualquer acordo.

A informação de que os socialistas temem que os "telefones, internet, conversas e outros meios da sua sede nacional", no Largo do Rato, estejam sob escuta foi revelada hoje pelo Correio da Manhã.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG