Personalidades pedem intervenção do PR no Colégio Militar

Trinta e cinco personalidades, incluindo o ex-Presidente da República Ramalho Eanes, altas patentes militares e ex-ministros como Marçal Grilo, associaram-se à causa da defesa do Colégio Militar e pediram a intervenção do chefe de Estado.

O pedido, a que a agência Lusa teve hoje acesso, foi subscrito numa carta dirigida a Cavaco Silva, a 28 de junho, pelo presidente da Associação de Antigos Alunos do Colégio Militar.

No ofício, os signatários solicitam ao Presidente da República para que exerça a sua magistratura de influência, com vista à suspensão do despacho do ministro da Defesa, de 08 de abril passado, que determina a transformação do Colégio Militar num internato/externato com rapazes e raparigas e a consequente construção de infraestruturas de internato feminino, absorvendo as alunas do Instituto de Odivelas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação de Antigos Alunos do Colégio Militar, António Saraiva Reffóios, disse que "não existem razões financeiras e pedagógicas" que justifiquem o internato misto e que, com este modelo de ensino, o Colégio Militar "corre o risco de uma descaracterização, que levará certamente à sua destruição".

A carta pede "uma análise serena e profunda" do assunto, envolvendo pais, encarregados de educação e antigos alunos, que "permita encontrar soluções" para que "as mudanças que venham a ser consideradas necessárias não descaracterizem a instituição bicentenária".

Os subscritores da missiva advogam que "transformar em dois anos um projeto educativo com 210 anos, baseado em internato masculino, num colégio com internato e externato masculino e feminino, é uma decisão que, com enorme ligeireza, descaracteriza totalmente o conceito educativo do Colégio Militar".

O ofício considera ainda "totalmente injustificável, no atual contexto de austeridade", a construção de um edifício de internato feminino no perímetro do Colégio Militar, "orçada em cerca de seis milhões de euros", para funcionar no ano letivo 2014-2015, "simultaneamente com o encerramento do Instituto de Odivelas".

A lista de personalidades integra o ex-presidente da República Ramalho Eanes, o ex-ministro da Educação Marçal Grilo, que coordenou a Comissão para a Reestruturação dos Estabelecimentos Militares de Ensino, a pedido do Ministério da Defesa, os deputados Helder de Sousa e Silva (PSD), João Rebelo (CDS-PP) e João Soares (PS).

Subscreveram o teor da carta os ex-ministros Adriano Moreira, Bagão Félix, Campos e Cunha, Medina Carreira, Roberto Carneiro, Rui Vilar, Rui Machete e Veiga Simão.

O ofício dirigido ao Presidente da República foi também subscrito pelo ex-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas José Lemos Ferreira, pelos ex-chefes do Estado-Maior da Armada Melo Gomes e Nuno Vieira Matias e pelos ex-chefes do Estado-Maior do Exército Pinto Ramalho e Loureiro dos Santos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...