Pedroso contesta revisão estatutária de Seguro

A direção do PS vai propor no próximo sábado uma revisão dos estatutos do partido que alarga o mandato do secretário-geral de dois para quatro anos (uma duração equivalente à legislatura), o que, a confirmar-se, será para Paulo Pedroso, um "sinal de um líder fraco com medo do partido".

De acordo com este dirigente socialista - antigo número dois de Ferro Rodrigues na liderança do PS (2002-2004) -, há ainda uma outra proposta na revisão estatutária que lhe merece atenção: a da eleição direta pelas bases do partido das listas de candidatos a deputados.

O secretário nacional do PS com o pelouro da organização, António Galamba, disse à Lusa que as diretas internas para os deputados deverão disputar-se por escolha alternativa de candidatos em listas fechadas.

Para Paulo Pedroso há uma duvida: se a lista vencedora fica com os candidatos todos ou se a lista final de candidatos resulta de método de Hondt entre as várias listas candidatas. Se for por este método proporcional, diz o dirigente socialista, então este é um sinal de "grande abertura" por parte da direção do partido; teremos, pelo contrário, um "golpe de controlo aparelhístico" se o método for o da lista vencedora que leva tudo.

A revisão estatutária será discutida no próximo sábado numa reunião da comissão nacional do PS (órgão máximo entre congressos), na Guarda.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG