PCP: Aumento é mais uma violência para os portugueses

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou na noite de sexta-feira o anunciado aumento do preço dos transportes públicos, considerando que se trata mais uma "violência" para o povo português.

"Como é que este Governo, que fala tanto em austeridade e sem sacrifícios equitativos, entende a vida do povo português, que vai viver numa situação dramática, num autêntico calvário, com a violência destas medidas que atingem sempre os mesmos do costume?", questionou.

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, anunciou hoje que os preços dos transportes públicos vão aumentar, a partir de 01 de fevereiro, em média cinco por cento e os dos privados quatro por cento.

Sublinhando que os transportes tinham aumentado "ainda há tão pouco tempo", o líder do PCP criticou este novo aumento, sobretudo face ao "quadro de desvalorização dos salários e das pensões, do aumento dos combustíveis, do gás e dos impostos".

Para Jerónimo de Sousa, os sacrifícios são sempre "para quem trabalha, para quem vive da sua reforma, da sua pensão ou dos seus pequenos negócios".

Para os grandes grupos económicos, contrapôs, "nunca há sacrifícios".

O líder do PCP falava em Famalicão, à margem de um comício onde apelou à luta contra as medidas previstas no memorando de entendimento com a 'troika' e criticou fortemente o acordo de concertação social celebrado esta semana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG