Passos:"Não há esquerda nem direita, há bom governo e mau governo"

Passos defende disciplina orçamental e rejeita dicotomia esquerda/direita

O primeiro-ministro defendeu hoje que a disciplina orçamental é essencial para o crescimento e rejeitou a dicotomia esquerda/direita, contrapondo que nesta matéria o que há são bons e maus governos, em Portugal e no resto da Europa.

"A história recente do nosso país demonstra que contas equilibradas são condição de crescimento. Se precisássemos de provas, bastaria apenas apontar os sucessivos anos da última década no caminho para o colapso de 2011 e para o resgate externo. Aqui e na Europa, como estamos agora a ver em França e na Itália, no que toca à disciplina orçamental e às reformas estruturais, não há esquerda nem direita: há bom governo e mau governo", afirmou Pedro Passos Coelho.

Numa conferência promovida pela SIC-Notícias, na arena do Campo Pequeno, em Lisboa, o chefe do executivo PSD/CDS-PP contestou a ideia de que o crescimento da economia portuguesa está "totalmente dependente de uma qualquer decisão política europeia" e declarou rever-se na atual União Europeia: "A Europa que existe cada vez se aproxima mais da Europa que nós defendemos, da Europa que serve os interesses nacionais".

Segundo o primeiro-ministro, "a defesa do Tratado Orçamental é a defesa da Europa que interessa a Portugal" e que "a Portugal interessa uma Europa de responsabilidade" - e não "atolada em dívida, perita em desorçamentação, a multiplicar parcerias público-privadas e cada vez menos competitiva", porque "assim não haverá certamente políticas de crescimento, nem Estado social, nem justiça social".