Passos vai depor por escrito na comissão parlamentar

O primeiro-ministro vai depor por escrito na comissão parlamentar de inquérito ao BPN, em resposta ao pedido dos grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP para esclarecer afirmações de presidente do banco BIC Portugal, Mira Amaral.

Questionado pela agência Lusa sobre se o primeiro-ministro iria responder por escrito ou presencialmente às perguntas dos deputados da maioria, fonte do gabinete de Pedro Passos Coelho esclareceu que o chefe de Governo irá depor por escrito.

PSD e CDS-PP decidiram hoje convocar o primeiro-ministro para depor na comissão parlamentar de inquérito sobre a nacionalização e reprivatização do Banco Português de Negócios (BPN), para esclarecer a sua intervenção na venda deste banco ao BIC.

A iniciativa conjunta dos deputados da maioria PSD/CDS-PP foi transmitida pelo deputado social-democrata Carlos Abreu Amorim, na sequência de declarações proferidas pelo presidente do banco BIC Portugal, Mira Amaral, que aludiu à intervenção de Passos Coelho neste processo.

O presidente do banco BIC Portugal afirmou hoje que o primeiro-ministro fez um apelo à sua boa vontade para fechar negócio e "salvar da liquidação" o BPN, com 1.700 trabalhadores.

Este apelo de Pedro Passos Coelho foi revelado pelo ex-ministro dos governos de maioria absoluta de Cavaco Silva na comissão de inquérito sobre a nacionalização do BPN.

"Julgava eu, encantado da vida, que não havia negócio para a compra do BPN, que ia para outra, quando, às 08:15 da manhã de 23 de novembro, o senhor primeiro-ministro me telefona a pedir para eu passar por São Bento às 19:00 desse mesmo dia. Fiquei surpreendido, porque ele tinha chegado ao Governo e nunca me tinha telefonado", contou Mira Amaral.

Na audição, Mira Amaral referiu em pormenor todos os passos da negociação, entre Governo e banco BIC, para a compra do BPN por 40 milhões de euros. As negociações que decorreram entre junho e dezembro do ano passado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG