Passos fecha a porta a entendimentos com o PS após eleições. E insiste que Portas se demitiu por SMS

Primeiro-ministro diz que não haveria sequer maneira de fazer funcionar um governo que juntasse os socialistas e a coligação PSD-CDS. Pelo meio, mantém a versão sobre o "verão frio" de 2013.

O primeiro-ministro entende que não existem condições para que a coligação PSD-CDS se entenda com o PS após as legislativas de outubro, apesar dos apelos do Presidente da República nesse sentido. A posição de Pedro Passos Coelho foi manifestada em entrevista ao semanário Sol, que será publicada esta sexta-feira.

O presidente do PSD vinca que o que vai estar em causa nas próximas eleições é o cenário de atribuir uma maioria estável a sociais-democratas e centristas ou ao PS, mas fecha a porta a acordos com António Costa. "Não me parece que haja no atual contexto nenhuma ideia de que um governo juntando CDS, PSD e PS pudesse sequer funcionar", observa.

E Passos fundamenta: "O programa económico é divergente, o modelo económico é divergente, a forma como o PS - e já vão em duas lideranças - vem colocando o problema político e económico mantém o mesmo perfil e não é conciliável com os objetivos que temos, quer com as regras europeias, quer com o que tem sido o esforço de modernização e de reforma estrutural da sociedade portuguesa."

Já sobre a polémica em torno da "irrevogável" demissão de Paulo Portas em 2013, Passos manteve a versão que apresentou na sua biografia, da autoria de Sofia Aureliano, isto é, de que soube que o líder do CDS ia bater com a porta através de um SMS - tese que os centristas vieram contrariar no próprio dia do lançamento da obra, referindo que a comunicação foi feita por carta (e de manhã).

"A versão que o livro narra - e narra em discurso direto feito por mim - corresponde à verdade", mantém o primeiro-ministro, que noutra parte da entrevista sublinha ainda que "as coisas correram bem" durante o atual mandato porque o PSD "não se importou muitas vezes de ser visto pelas pessoas como o mau da fita".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG