Passos Coelho diz que "a nossa democracia funcionou num quadro de exceção"

Num jantar comício em Pombal, o líder do PSD defendeu o voto na coligação Portugal à Frente como uma opção por "aquilo que deu certo".

O presidente dos sociais-democratas considerou hoje que a coligação PSD/CDS-PP se apresenta "de cabeça levantada" depois de quatro anos a governar num quadro de exceção em que todas as instituições democráticas funcionaram em equilíbrio de poderes.

"A nossa democracia funcionou, num quadro de exceção", afirmou Pedro Passos Coelho num jantar comício em Pombal, no distrito de Leiria, em que voltou a defender que "não tem nada de mal" os portugueses votarem na coligação PSD/CDS-PP, optando por "aquilo que deu certo".

Continuando sem usar a expressão "absoluta", o presidente do PSD e primeiro-ministro pediu novamente aos eleitores uma maioria no parlamento: "Não podemos ter menos condições políticas do que tivemos nestes quatro anos".