"O que nos interessa não é o emprego imediato"

Governo coloca ministro da Educação a defender "funções sociais do Estado". Que sobre emprego diz que o "que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro"

Na interpelação do Partido Ecologista "Os Verdes" ao Governo sobre "funções sociais do Estado" coube ao ministro da Educação a intervenção inicial, em que Nuno Crato fez "a defesa da escola", sublinhou que esta "é uma função social do Estado mas não é um exclusivo do Estado".

Foi já no período de perguntas que, interpelado pelo deputado socialista, Nuno Sá, sobre os números do desemprego, que o ministro da Educação afirmou que "o que nos interessa em relação ao emprego não é o emprego imediato, não é o emprego artificial e não é o emprego não sustentável". E acrescentou: "O que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro."

Perante uma plateia de alunos nas galerias da Assembleia da República, o Governo está representado pelos ministros Nuno Crato (Educação), Assunção Cristas (Agricultura), Miguel Relvas (Adjunto e dos Assuntos Parlamentares) e os secretários de Estado Marco António Costa (Segurança Social) e Teresa Morais (Assuntos Parlamentares).

Exclusivos