O Partido Socialista mudar de nome? Nem pensar! "Isso é uma heresia!"

No PS não há quem admita o que Manuel Valls quer para o PS francês, que deixe de ser "Socialista". Não há - nem nunca houve, na história do partido

"O homem devia ser internado! Ele que mude de partido, que vá jantar com o Sarkozy e que façam um partido! Porque, como dizia Léon Blum, o socialismo é uma bênção de Deus. Isso é uma heresia!"

Quem assim fala - escusado será dizer que muito indignado - é António Arnaut, 78 anos, o advogado que em abril de 1973, na Alemanha, fez a ata da reunião fundadora do Partido Socialista português e que depois, em 1978, como ministro, assinaria, porventura, a maior obra da sua vida, a criação do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Motivo da indignação: a ideia avançada pelo primeiro-ministro francês, Manuel Valls, de mudar o nome ao Partido Socialista Francês (PSF), fazendo cair o "Socialista", porque Valls quer o partido apenas "pragmático, reformista e republicano" e inclinado para alianças com direita-centrista moderada.

"Isso é um crime contra a História", sublinha Arnaut. "O nome do PSF faz parte da própria identidade política francesa." "Os socialistas têm hoje naturalmente que se adaptar às circunstâncias. Mas isso não significa que se mude de nome. As coisas mudam - mas não mudam as desigualdades e as injustiças e a exploração. Não temos de mudar nada!"

Outro histórico do PS, Manuel Alegre - que no primeiro congresso do partido na legalidade ajudou Mário Soares a impedir que o partido fosse tomado por um grupo mais esquerdista -, é mais lacónico: "Ele [Manuel Valls] é que devia mudar de partido. E o mais rapidamente possível!" Porque, afirma ainda, "ninguém é obrigado a ser militante do PSF. E se não gostam do nome nem do conteúdo não entram."

Leia mais da edição impressa ou no e-paper

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.