Moreira diz que integrará "contributos do programa" do PS e promete "ouvir todos"

O novo presidente da Câmara do Porto revelou hoje que integrará "contributos do programa" com que o PS "se apresentou a votos", destacou a importância do acordo com os socialistas para o desenvolvimento da cidade e revelou querer "ouvir todos".

"Este será o ciclo do desenvolvimento, social, económico e cultural. Como se realizarão estes objetivos? A pergunta é pertinente, porque coloca o acento tónico na governação e na sua viabilidade", afirmou Rui Moreira, durante a tomada de posse, onde o terceiro piso dos Paços do Concelho foi pequeno para acolher os 58 eleitos, os membros autárquicos cessantes, jornalistas, nomeadamente espanhóis, convidados e população em geral.

Vincando o pacto assinado no domingo com os socialistas com essencial para viabilizar a gestão e da cidade, o primeiro independente eleito presidente da Câmara do Porto não esqueceu os outros eleitos, assegurando "ouvir todos sem exceção".

"Saberei ouvir. E saberei ouvir todos, sem exceção. Da mesma maneira, e com abertura de espírito, nunca invocarei a tolerância democrática para adiar a resolução de problemas, para protelar decisões ou para atrasar soluções", afirmou.

Moreira notou existir "um tempo para o debate plural" e "o tempo para tomar decisões", alertando que "fazer política é tomar opções".

"Saberei ouvir. Mas saberei sempre decidir sem dilação", assegurou.

Relativamente ao acordo com o PS, notou que "traduz o reconhecimento de programas eleitorais que não eram incompatíveis e muito menos antagónicos", lembrando que o seu programa foi o "que mereceu a maioria dos sufrágios".

"Mas também sei que há contributos que, vindos do programa com que se apresentou a votos o Partido Socialista, serão integrados na nossa governação", destacou.

Moreira notou ainda que "se dúvidas houvesse", o acordo com o PS, confirma "de uma forma muito concreta" que a sua candidatura sempre esteve disposta "a acolher os contributos válidos, a competência e a vontade de servir os portuenses".

"De quem quer que fosse, qualquer que fosse a sua simpatia partidária ou por esta ou aquela candidatura", defendeu.

Rui Moreira disse ainda que o PS e Manuel Pizarro, souberam "colocar os interesses da cidade e dos portuenses em primeiro lugar".

"Também por isso lhe agradeço e lhe digo que, doravante, há um Governo da cidade do Porto", destacou.

Moreira afirmou mesmo que "o Porto que fez história a 29 de setembro fez de novo história a 19 de outubro", data em que foi selado o "acordo ao serviço da nossa cidade e dos portuenses".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG