Mito urbano foi "uma realidade para mais de 400 mil portugueses"

António Costa afirma que Governo foi atacado por "epidemia de desmemorização".

O secretário-geral socialista disse esta terça-feira, em Santarém, que o Governo foi, "de repente, atacado coletivamente por uma epidemia de desmemorização" e que está a festejar números que demonstram "o fracasso que foi a política nos últimos anos".

António Costa visitou hoje a Feira Nacional da Agricultura, que decorre até domingo no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, poucas horas depois de o ministro da Economia, Pires de Lima, ter afirmado, no mesmo espaço, que os agricultores "dispensam políticos tristes" e que esperam um discurso de confiança e de esperança.

O líder socialista assegurou que a receção que teve hoje na Feira de Santarém foi "muito boa" e que "não há motivo para tristeza", mas sim para verificar como o trabalho de vários anos "de semear permite colher bons resultados de investimento na agricultura".

Costa disse que Pires de Lima "já não se lembra bem do estado em que a economia tem estado" e que os números que o Banco de Portugal divulgou na segunda-feira e que o Governo tem "festejado muito" apenas "demonstram o fracasso que foi a política nos últimos anos".

"O que o Banco de Portugal veio dizer foi que só em 2017 é que recuperaríamos o estado da economia portuguesa em 2008. Isto demonstra bem o quanto andámos para trás. Chegámos ao fim de 2014 quinze anos para trás. As previsões que o Governo agora festeja muito otimista vêm dizer que, se tudo corresse como o Governo desejava, em 2017 estariamos ao nível de 2008", afirmou.

O secretário-geral do PS afirmou que uma mudança de política vai poder "ajudar a relançar a economia, a criar emprego e a chegar a 2017 com níveis de crescimento da economia superiores àqueles que assentam na previsão do Banco de Portugal".

Para Costa, só com a criação de emprego será possível devolver a confiança à economia.

"Todo este esforço enorme que os agricultores portugueses estão a fazer, de investimento na sua produção, precisa de consumidores e os consumidores precisam de rendimento. Por isso é fundamental o que temos dito, de que a grande meta para os próximos anos é emprego, emprego, emprego, porque o emprego é condição de tudo e também do desenvolvimento da nossa agricultura", declarou.

O líder socialista afirmou que aquilo a que o Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, chamou na segunda-feira um "mito urbano" foi "infelizmente uma realidade para mais de 400.000 portugueses".

"Em 2013 emigraram tantos portugueses como os que tinham emigrado em 1965. É preciso andar 50 anos para trás para termos um ano onde essa realidade terrível que é este novo ciclo de emigração tenha ocorrido", afirmou.

Costa referiu ainda que o programa de Governo do PS tem "uma meta muito ambiciosa fixada", que é a de alcançar a autossuficiência alimentar, "que é um sonho secular" do país possível de concretizar desde que se articulem as dimensões competitiva e de pequena dimensão da agricultura portuguesa.

Frisando que a agricultura representa já 20% das exportações nacionais, o líder socialista disse ser necessário "acelerar os fundos comunitários" e investir no programa de regadio para melhorar a competitividade e a capacidade exportadora, bem como apostar na pequena agricultura, cujo "enorme potencial está por aproveitar".

Costa lembrou o "grande investimento" no regadio feito no Alqueva, que resultou "da ousadia" de um Governo socialista.

"Não há razões para olharmos com angústia para este setor", disse, afirmando que, no próximo ano, quando voltar a visitar a feira, constatará "o sucesso" das primeiras medidas do programa socialista e o bom ritmo da execução dos fundos comunitários.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...