Ministro: "Ninguém quer acabar com a justa causa"

O Governo não pretende "acabar" com o conceito de justa causa nos despedimentos, estando interessado em "chegar a um consenso" em sede de concertação social, garantiu hoje o ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira.

"O Governo está aqui para dialogar e quer ouvir os parceiros sociais. Depois de os parceiros sociais nos apresentarem todas as suas propostas, iremos olhar para as propostas e tentar chegar a um consenso", afirmou.

Em declarações aos jornalistas, à margem da visita às obras de alargamento do terminal de gás natural liquefeito de Sines, Álvaro Santos Pereira garantiu que "ninguém quer acabar com a justa causa".

Além disso, frisou, "a questão laboral é simplesmente uma pequena questão em relação às questões mais abrangentes da competitividade".

"Estamos a falar ao nível de políticas activas do emprego, que estão a ser discutidas no seio da concertação social, estamos a falar de outras políticas de competitividade que também serão discutidas em sede de concertação social", explicou.

Segundo o ministro, o Governo está apenas "a implementar aquilo que foi acordado no memorando de entendimento" com a 'troika', medidas "com que o país se comprometeu em troca de ter a ajuda externa de que precisamos".

Na proposta enviada aos parceiros sociais, que servirá de base de discussão ao grupo de trabalho sobre Políticas de Emprego e Reforma da Legislação Laboral, o Executivo defende a alteração do conceito de despedimento com justa causa, introduzindo a possibilidade de o trabalhador ser despedido por não cumprir os seus objectivos ou ser menos produtivo, independentemente da introdução de novas tecnologias ou de outras alterações no local de trabalho.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.