Ministra considera que quase tudo é remodelável

A ministra da Justiça recusou hoje comentar o despacho do ministro das Finanças, que proíbe novas despesas, e, quando questionada sobre uma eventual saída do Governo, contrapôs que "há muito pouca coisa na vida que não é remodelável".

Paula Teixeira da Cruz falava aos jornalistas no final de uma conferência sobre branqueamento de capitais, organizada pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Quanto ao chumbo de algumas normas do Orçamento do Estado para 2013, pelo Tribunal Constitucional (TC), a ministra reconheceu que "pressupõe uma visão integral" de tudo aquilo que é o Estado, e que que há "esse trabalho a fazer", a redifinição das despesas do Estado, "com serenidade e determinação", mas, "sobretudo, a pensar nos portugueses e em Portugal".

Acerca do alerta deixado terça-feira, no Parlamento, pela procuradora-geral da República (PGR), de que o novo modelo de organização judiciária exige recursos informáticos, humanos e periciais, Paula Teixeira da Cruz disse que o Governo mantém a calendarização dessa reforma.

Quanto ao espaço de manobra do Governo para realizar obras que o novo mapa dos tribunais implica, Paula Teixeira da Cruz desdramatizou a situação, observando que, das cerca de 90 obras a realizar, apenas seis é que "são de montante significativo".

Reconheceu que há falta de funcionários judiciais no sistema, ao contrário do que acontece com os magistrados - cujo número está dentro da média europeia -, mas apontou a "situação financeira" em que Portugal se encontra como um obstáculo à resolução do problema.

Instada a pronunciar-se se vai continuar no Governo, perante notícias que indicam a sua saída, Paula Teixeira da Cruz optou por responder, de forma lacónica, que "há muito pouca coisa na vida que não é remodelável".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG