Miguel Macedo renuncia ao subsídio de alojamento

O ministro da Administração Interna anunciou hoje que na segunda-feira irá renunciar ao subsídio de alojamento. A polémica foi noticiada pelo DN no sábado.

"Por decisão pessoal minha, amanhã mesmo, vou formalizar a renúncia a este direito que a lei me dá", disse Miguel Macedo aos jornalistas em Figueira de Castelo Rodrigo, distrito da Guarda, à margem das comemorações do centenário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Figueirenses.

O governante disse que toma a decisão "por vontade pessoal", alegando que o direito ao alojamento "está há muito tempo previsto na lei". "Faço-o por vontade pessoal, porque não quero estar a perder um minuto da minha atenção com uma polémica deste género", referiu Miguel Macedo.

O ministro da Administração Interna referiu que a questão agora colocada "não é nova, tem muitos anos", assegurando tratar-se de um direito que está "previsto na lei há muitos anos". "Não houve nada que estivesse ocultado. Eu vou abdicar de um direito que tenho. Faço-o porque entendo que devo fazê-lo", referiu.

Este caso foi noticiado pelo DN na edição do dia 22 de Outubro, dando conta da existência de nove governantes que recebiam um subsídio de alojamento, que teve efeitos a partir da posse.

No caso de Miguel Macedo, titular da Administração Interna, a sua declaração de rendimentos indica duas moradas - a de Lisboa e uma em Braga - onde, garante o seu gabinete, reside.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG