Medina conversa com Livre e Inês Lobo é trunfo para pasta do Urbanismo

Coligação é para fechar no fim de semana. Candidato do PS e Rui Tavares discutem há vários dias nomes e lugares para irem a votos juntos.

O fim de semana será decisivo para fechar a coligação em Lisboa de Fernando Medina (PS) com o Livre de Rui Tavares para as eleições autárquicas de 26 setembro. Contactada pelo DN fonte da candidatura do PS limitou-se a dizer que as conversas continuam, mas, segundo soube o DN o prazo limite para fechar um acordo é amanhã. Certo é que o autarca ainda vai ouvir António Costa antes de selar o compromisso. Já o Livre não respondeu às tentativas de contacto do DN. A coligação deve manter o slogan de Medina - Mais Lisboa.

Os candidatos do Livre em Lisboa foram a votos nas últimas eleições na lista do PS como independentes, mas agora podem entrar como representantes do partido numa coligação com o atual presidente da autarquia. Rui Tavares deverá abandonar a candidatura que já apresentou e entrar na lista da vereação de Medina, além de garantir lugares para o partida nas listas da assembleia municipal e freguesias.

A discussão de nomes e lugares dura há vários dias, com enfoco na assembleia municipal liderada por José Leitão, Rui Paulo Figueiredo e Helena Roseta nos últimos anos.

E também a pasta da Reabilitação Urbana, que está sob alçada de Ricardo Veludo desde 2019. Esta é talvez a área mais importante da vereação e também a mais mediática e polémica, depois de Manuel Salgado ser constituído arguido no âmbito de um processo que investiga o impacto na paisagem do Hospital CUF Tejo. O arquiteto esteve 14 anos a gerir o urbanismo de Lisboa, primeiro como vereador, depois como presidente da Sociedade de Reabilitação.

Para o Urbanismo está em cima da mesa o nome da também arquiteta Inês Lobo. "O que mais me fascina na arquitetura é a obra pública", disse em maio, no podcast No País dos Arquitetos, a autora da obra da Biblioteca Pública e o Arquivo Regional de Angra do Heroísmo.

De saída está José Sá Fernandes, vereador do Ambiente, Clima e Energia e Estrutura Verde - pasta que o Livre quer. "Acho que tenho ainda muito para dar, mas é o momento de me afastar. Ao longo destes 14 anos, aconteceram muitas coisas e há um ciclo. Tem de haver outros e, para já, devo ficar de fora para ganhar outro olhar", disse Sá Fernandes ao Expresso em abril.

Medina apresentou a recandidatura no dia 5 de julho e prometeu "creches gratuitas" até final do próximo mandato (em 2025) para as "famílias jovens da classe média" residentes em Lisboa.

Até agora foram anunciadas dez candidaturas à CML: Fernando Medina (PS), Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), João Ferreira (CDU), Bruno Horta Soares (IL), Nuno Graciano (Chega), Beatriz Gomes Dias (BE), Manuela Gonzaga (PAN), Rui Tavares (Livre), Tiago de Matos Gomes (Volt) e João Patrocínio (Ergue-te).

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG