Medina acusa direita de "preconceito ideológico contra o Estado"

O "anfitrião" do Congresso diz que a Câmara de Lisboa conseguiu baixar a dívida, ao contrário do Governo. Acusa governo de "privatizar tudo" e de "vender os anéis e alguns dedos"

O vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, defendeu que "os últimos três anos chegaram para ver que as políticas do governo falharam" e que, desde que António Costa chegou à liderança do PS, a direita tem-se limitado a "fazer oposição à oposição".

Medina, que falava no XX Congresso do PS, criticou o facto do "governo do país fazer oposição à CML" e acusou a maioria de "demasiado descaramento" por criticar a "taxinha de um euro" de António Costa, quando "criou 26 taxinhas, aumentou o IVA na restauração e cortou as prestações sociais". O socialista diz que o governo passou de "campeão da defesa dos pensionistas a campeão das taxinhas", explicando que esta é a melhor caricatura do executivo.Fernando Medina lembrou que a CML reduziu a dívida em 380%, admitindo que para isso contribuiu a "venda de ativos". Porém lembrou que o Governo "também vendeu ativos, privatizou tudo, vendeu anéis, vendeu alguns dedos e, mesmo assim, a dívida do país não pára de aumentar." E conclui: "Com António Costa na CML, desceu."O vice de Costa na câmara de Lisboa, acusou a direita de "preconceito ideológico contra a o Estado e o sector público" e garantiu que o PS está do lado dos que valorizam o trabalho" e a direita do lado "da austeridade, que apresenta a desvalorização dos salários como uma varinha mágica do desenvolvimento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG