Maria de Belém: "Não é aqui que se trata" do caso Sócrates

A ainda presidente do PS garante que o Congresso socialista é para "afirmar alternativa política". Mas admite que a detenção do ex-primeiro-ministro "não é ignorável".

Maria de Belém, a militante socialista que está de saída da presidência do PS, admitiu este sábado de manhã que a detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates "não é ignorável, mas não é aqui que se trata dele". Aqui é o XX Congresso do PS, que decorre durante o fim de semana na FIL, em Lisboa.

Os dirigentes socialistas temem alguma contaminação do caso durante os trabalhos e Maria de Belém reconhece que "a expressão é sempre livre", confrontada com a hipótese de militantes trazerem o caso a debate. Mas, insiste, "esse não é o objetivo deste congresso".

A linha a seguir é a de "afirmar uma alternativa política". Até porque os socialistas respeitam "escrupulosamente a separação de poderes", sublinhou. Não se trata de chutar para canto o tema, defendeu. "Não é ignorar porque não é ignorável."

A sessão de abertura decorre às 10.30. Desde as 8.30 que decorre a votação para presidente do partido. Carlos César, candidato único, substituirá no lugar Maria de Belém.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG