Marcelo vai votar na coligação por causa de...Juncker

O antigo líder do PSD diz que "vale a pena votar na Aliança Portugal", destacando o facto de Jean-Claude Juncker ser melhor presidente da Comissão Europeia do que o candidato dos socialistas Martin Schulz

O antigo líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta noite que o principal motivo pelo qual os eleitores devem votar na coligação "Aliança Portugal" é o facto de os cidadãos europeus poderem escolher, pela primeira vez, o presidente da Comissão Europeia.

Num jantar com apoiantes em Coimbra, Marcelo defendeu que o melhor futuro "primeiro-ministro da Europa" é o luxemburguês Jean Claude Juncker, lembrando que a coligação PSD/CDS é "a única lista [em Portugal] que o apoia". O antigo líder do PSD confessou que este motivo era mais preponderante para o seu voto do que o facto de "ter sido líder do PSD, de ser o nº3 do PSD ou de ter sido apoiado por uma coligação PSD/CDS" quando foi presidente do partido.

Marcelo considera que Juncker ocupará melhor o cargo que o candidato socialista, o alemão Martin Schulz, porque "tem experiência a governar" e é um "grande amigo dos portugueses". O antigo líder social-democrata garante que o antigo primeiro-ministro do Luxemburgo defendeu Portugal "onde era mais difícil: no Conselho Europeu e como presidente do Eurogrupo".

O também comentador televisivo garantiu que "vale a pena votar na AP" e evocou, em jeito de homenagem e reconhecimento, o nome de antigos dirigentes dos partidos da coligação que considerou serem fundamentais para a europeia, como Francisco Pinto Balsemão (PSD) ou Adelino Amaro da Costa (CDS). E até lembrou a este propósito um antigo líder do CDS, que disse recentemente que as europeias seriam um "plebiscito" ao Governo: Diogo Freitas do Amaral.

Marcelo elogiou ainda os dois rostos da coligação - o cabeça de lista do PSD, Paulo Rangel, e o número um do CDS, Nuno Melo - dizendo que mostraram no Parlamento Europeu serem "conhecedores dos dossiers da Europa" e também que "lutaram por Portugal no quadro da União Europeia".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG