Marcelo diz que estratégia da coligação é "fazer de morto"

Ex-líder do PSD considera que a coligação tem ficado à espera que o PS "faça disparates". Diz que António Costa tem de ter cuidado com as "metáforas" como a de que só faria Bloco Central no caso de "invasão de marcianos".

O ex-líder do PSD disse esta noite no seu espaço de comentário da TVI que "a estratégia utilizada pela coligação tem sido fazer de morto, à espera que o PS faça disparates e isso esta semana resultou muito bem": Marcelo Rebelo de Sousa incluiu na estratégia do PSD e do CDS "evitar fraturas internas", nomeadamente na questão das presidenciais.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou "inteligente" que a coligação não tenha convidado nenhum dos candidatos à direita para a Universidade de Verão. "A universidade de verão não pode ser um desfile de candidatos ou proto-candidatos presidenciais". O social-democrata acredita que isto evita divisões como as que estão a acontecer no PS provocadas pelas candidaturas de Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa.

O comentador disse ainda que o PS, que esta semana apresentou as contas do seu programa eleitoral, "tem de ter cuidado com as atualizações de estudos, pois o eleitorado confunde estudos com promessas". Marcelo acredita ainda que a carta de Sócrates a dizer que a sua prisão pretende impedir que o PS ganhe as eleições é "um incómodo" para António Costa.

O ex-líder social-democrata acredita ainda que a coligação está a vencer a campanha das "redes sociais", dando como exemplo a forma como proliferou a ideia, mesmo que Costa não o tenha dito dessa forma, de que Manuela Ferreira Leite poderia integrar o govenro de António Costa.

Marcelo Rebelo de Sousa revelou ainda que Ribeiro e Castro vai participar no acampamento que do Partido Socialista que vai marcar a rentrée de António Costa. O DN está a tentar contactar o ex-líder do CDS para confirmar esta informação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG