Mais de metade das receitas das empresas de Santos Silva vêm de câmaras PS e da Parque Escolar

Maioria dos contratos foi feita por ajuste direto, sobretudo no Interior. Nenhum com a Câmara de Lisboa.

Quatro empresas do amigo de José Sócrates arguido no âmbito da Operação Marquês encaixaram 12,8 milhões de euros em 127 contratos celebrados por ajuste direto, 52 por concurso público e dois por concursos limitados. A maioria das autarquias que fizeram negócio com as empresas de Santos Silva é do Interior. Parque Escolar e câmaras socialistas foram responsáveis por 52,6% do valor dos contratos (7,87 milhões de euros), autarquias PSD somam 8,62% e as do PCP 5,84%. Os dados são do portal Base - plataforma criada em 2008 que publicita a contratação pública.

Carlos Santos Silva encontra-se em prisão preventiva por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. De acordo com o Económico, o Ministério Público está a analisar os contratos entre entidades públicas e as empresas do amigo de José Sócrates. Foram, precisamente, essas adjudicações que o DN foi analisar, centrando a pesquisa naquelas em que Santos Silva é acionista ou sócio-gerente. Desde 2009 à atualidade.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG