Maioria admite projeto que proíbe bancos de serem donos de empresas

A ideia do BE, que merece a atenção de PSD e CDS, é evitar que a derrocada que aconteceu no universo BES e GES se repita.

O Bloco de Esquerda (BE) foi o primeiro partido a anunciar uma iniciativa legislativa que visa evitar novas derrocadas no sistema financeiro como aconteceu com o Banco Espírito Santo e com o Grupo Espírito Santo, mas a maioria PSD-CDS está à espera do final dos trabalhos da comissão parlamentar de inquérito (abril -maio) para avançar com propostas.

Para já, sociais-democratas e centristas consideram "prematuro" comentar o projeto de lei ontem apresentado pelos bloquistas, mas ao DN o coordenador do PSD na comissão parlamentar, Carlos Abreu Amorim, deixa a garantia de que após as audições de Carlos Costa, Carlos Tavares e Maria Luís Albuquerque também apresentarão o seu diploma. Embora ninguém queira abrir o jogo - Abreu Amorim diz que já existem "ideias pensadas e discutidas" - o DN sabe que a maioria quer apertar o cerco aos conglomerados mistos, como o GES, delimitando os negócios cruzados (e a contaminação de várias empresas como se assistiu naquele universo) nos grupos com ramos financeiro e não financeiro.

No articulado da proposta do BE constam várias alterações ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF), com destaque para uma norma que prevê que os bancos (e demais instituições de crédito) não possam ter participações qualificadas no capital de outras empresas.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG