Maçonaria embaraça dirigentes sociais-democratas

A ideia de que o atual PSD está fortemente influenciado pela maçonaria deixou o partido fortemente embaraçado, o que levou por exemplo Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar, a explicar-se, num artigo no Expresso.

Também Alexandre Picoto, personalidade ontem referida no DN como maçónica e tendo orquestrado a eleição da nova direção da distrital do PSD de Lisboa, negou ontem ao DN pertencer a qualquer obediência. Admitiu porém ter relações profundas com o universo maçónico, garantindo que participou "em vários jantares da maçonaria" e orgulhando-se de já ter estado "nas instalações do GOL em Lisboa e no Porto e nas instalações da GLLP em Lisboa".

Porém, nega alguma vez ter entrado na organização. "Por ter trabalhado no centro de sondagens da Moderna sempre disseram que eu era da maçonaria. E não me importava de ser, mas, por motivos familiares, não sou", acrescenta Picoto (é genro de Germano Marques da Silva, que também em tempos o julgou da maçonaria).

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.