Lusófona divulga lista dos docentes que avaliaram ministro

A Universidade Lusófona divulgou hoje os nomes dos quatro docentes que avaliaram o ministro Miguel Relvas no ano letivo 2006/2007, numa reação à notícia do jornal "Expresso" segundo a qual "Três dos quatro professores de Relvas nunca o avaliaram".

Da lista divulgada pela Lusófona apenas um docente coincide com os nomes avançados pelo "Expresso", o professor Almeida Tomé, que assumiu ao semanário que teve Miguel Relvas como estudante.

Depois da nota da Lusófona, o gabinete do ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares negou, em comunicado, a notícia do "Expresso", adiantando que Miguel Relvas poderá eventualmente processar judicialmente os responsáveis editoriais do semanário, bem como a autora da notícia e desafia o jornal a "repor a verdade dos factos e pedir desculpas aos seus leitores".

Segundo o semanário Expresso, "os professores das três cadeiras de Ciência Política exigidas a Miguel Relvas para se licenciar -- das quatro que a Universidade Lusófona considerou necessárias para atribuição do diploma -- garantiram ao Expresso que nunca viram o atual ministro-adjunto naquela escola e, claro, também nunca o avaliaram".

António Filipe, Feliciano Barreiras Duarte e Pereira Marques são os três docentes avançados pelo Expresso que "não viram nem avaliaram" Miguel Relvas.

Segundo a Universidade Lusófona, Manuel Jerónimo Marques dos Santos, António Joaquim Viana de Almeida Tomé, Paulo Jorge Rabanal da Silva Assunção e António Fernando dos Santos Neves foram os docentes que avaliaram o ministro no ano letivo de 2006/07.

A Universidade Lusófona refere também que "três dos quatro docentes referidos no Expresso não lecionaram no ano letivo 2006/2007 as unidades curriculares em questão, ou lecionaram em turmas que não foram frequentadas por Miguel Relvas".

Contactado pela Lusa, o diretor do Expresso, Ricardo Costa, afirmou que o ministro pode processar o jornal, sublinhando que é "um processo que o 'Expresso' ganha com um advogado oficioso".

Ricardo Costa disse também que "a mesma universidade que hoje resolve divulgar os nomes dos professores até ontem dizia, por escrito, a toda a gente que o nome dos professores era uma questão do foro privado da universidade".

"Se alguém escondeu informação e não ajudou a esclarecer rigorosamente nada neste caso foi a universidade e o próprio ministro", afirmou, adiantando ainda que o processo é hoje divulgado "graças à investigação do 'Expresso'".

Num outro comunicado divulgado hoje de madrugada, a Universidade Lusófona garantiu que vai levar este caso à justiça, sublinhando "estar a conduzir e tomar todas as diligências legais para processar aqueles que estão a mover um processo com claras intenções certamente alheias aos interesses dos seus milhares de alunos e docentes".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG