Lomba sublinha impacto da ETAR na economia de Alcanede

O secretário de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Pedro Lomba sublinhou hoje o impacto da Estação de tratamento de Alcanede, em Santarém, na economia local e na criação de condições para a fixação de empresas.

"Esta infraestrutura irá ter um impacto fortemente positivo na economia local e nacional" afirmou Pedro Lomba durante a inauguração da Estação de Tratamento de Aguas Residuais (ETAR) de Alcanede, no concelho de Santarém.

A obra vem permitir que "empresas que estão a fazer um grande esforço de internacionalização", nomeadamente na indústria pedreira, de curtumes e da cal, passem "a ter os seus resíduos tratados" pela ETAR, contribuindo igualmente para a fixação de novas empresas, salientou.

"Pedir certificações ambientais ou licenças industriais passa agora certamente a ser mais fácil", disse o secretário de Estado para quem a obra "é um exemplo claro de um bom aproveitamento dos fundos da União Europeia".

A ETAR de Alcanede e o respetivo sistema de drenagem faz parte do plano integrado de ampliação do saneamento do concelho de Santarém e irá servir uma população de 1.189 habitantes das povoações de Alcanede, Mosqueiros, Aldeia de Além, Bairro dos Mortais e Alqueidão do Mato.

A obra representa um investimento de 3,8 milhões de euros, dos quais 2,7 milhões cofinanciados pela União Europeia.

O investimento faz parte de um pacote de obras de saneamento que rondam os 135 milhões de euros e que segundo o presidente da empresa Águas de Santarém, e presidente da autarquia, Ricardo Gonçalves, "vão permitir chegar ao final do ano com uma cobertura de 94% e tornar o concelho sustentável".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.