Juiz desembargador assume que pediu ajuda a Figueiredo, mas questiona: "é crime?"

O ex-super-polícia, Antero Luís, garante que nunca teve "qualquer conversa sobre vistos gold".

O ex-secretário-geral do Sistema de Segurança Interna terá sido identificado, pelos investigadores da "Operação Labirinto", em escutas ao telefone do principal suspeito do caso, António Figueiredo, a solicitar ajuda para vender uma casa do amigo de um irmão seu.

Antero Luís, igualmente ex-diretor do Serviço de Informações de Segurança (SIS) foi também um dos convidados num jantar em casa de Maria Antónia Anes, no início do verão, onde estavam outros altos dirigentes do Estado. Conforme noticiou o DN, na edição de domingo passado, esta refeição foi organizada pela, na altura, secretária-geral do ministério da Justiça, reunindo várias figuras de relevo, dirigentes das secretas e da Justiça.

Contactado pelo DN, Antero Luís negou perentoriamente "qualquer ligação ou conversa sobre os vistos gold" e não escondeu a sua indignação com as notícias que têm saído sobre a seu alegado envolvimento no caso dos vistos dourados.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG