JS diz que está em causa "regular funcionamento das instituições" e apela a PR

A Juventude Socialista (JS) considerou hoje que "no atual quadro político está em causa o regular funcionamento das instituições democráticas", apelando à "lucidez e responsabilidade do Presidente da República" para que convoque eleições antecipadas.

"No atual quadro político, está em causa o regular funcionamento das instituições democráticas e a sua credibilidade perante os cidadãos", começa por defender esta estrutura, em comunicado.

E acrescentam: "A JS apela à lucidez e responsabilidade do Presidente da República, principal garante do regular funcionamento das instituições democráticas, para que, perante o atual quadro político e social, bem como face à vontade tão espontaneamente demonstrada pelos cidadãos, seja consequente, convocando eleições legislativas antecipadas".

A estrutura de juventude do PS, que reuniu terça-feira à noite o seu Secretariado Nacional para "análise da situação política", deplora a "irresponsabilidade do PSD e do CDS" num momento em que "é exigível a todos os agentes políticos uma postura de coerência e responsabilidade", e considerou que o atual momento pode "conduzir Portugal a um segundo resgate financeiro".

"É por demais evidente que o Governo está isolado e existe uma esmagadora maioria social que clama pela sua demissão (...) Apesar de o primeiro-ministro afirmar que não se demite, é entendimento da JS que os portugueses já se demitiram de depositar qualquer esperança nesta governação", escrevem.

O primeiro-ministro, Passos Coelho, fez uma declaração ao país na terça-feira à noite após a demissão de Paulo Portas de ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, que é também líder do CDS-PP, parceiro de coligação do PSD no Governo.

Pedro Passos Coelho frisou que não se demitiria do cargo de primeiro-ministro, manifestou-se surpreendido com o pedido de demissão do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, e adiantou que iria procurar com o CDS-PP garantir as condições de estabilidade do executivo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG