João Galamba diz que Cavaco é que deve pedir desculpas

O deputado socialista João Galamba recusou hoje pedir desculpas por ter escrito que o Presidente da República "endoidou" e considerou que é Cavaco Silva quem deve um pedido de desculpas pelo seu recente discurso no 25 de Abril.

João Galamba falava à agência Lusa, depois de o PSD, por intermédio da deputada Francisca Almeida, ter exigido um "pedido de desculpas formal" do PS pelas declarações "de falta de respeito pessoal e institucional" que um "destacado deputado" socialista [João Galamba] fez a propósito do discurso proferido por Cavaco Silva na sessão solene do 25 de abril na Assembleia da República.

"São declarações que consideramos que de falta de respeito pessoal e institucional pelo senhor Presidente da República e que cremos que merecem um pedido de desculpa do próprio e do PP, um pedido de desculpas formal que esperamos que aconteça, se não antes, pelo menos no decurso deste congresso", afirmou Francisca Almeida, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD.

"Quem deve um pedido de desculpas é o Presidente da República, que quinta-feira insultou os portugueses, a democracia e o 25 de Abril de 1974. O que fez na quinta-feira no Parlamento foi de uma enorme gravidade, porque no dia em que se celebra a libertação de um povo de uma ditadura, em que se celebra a soberania democrática e liberdade, o mais alto magistrado da não disse no Parlamento, a casa da democracia, que as eleições deixaram de ter qualquer relevância", declarou.

Confrontado com os protestos por ter usado a palavra "endoidou" para caracterizar a intervenção do chefe de Estado, João Galamba disse que usou essa expressão "no twitter e no Facebook".

"Usei essa expressão porque o Presidente da República afirmou uma coisa contraditória: Que era preciso cumprir integralmente o Tratado Orçamental da União Europeia, mas também era preciso combater a austeridade, o que é uma contradição. Endoidou pode não ter sido a expressão mais feliz do mundo, mas foi dita num contexto muito especial, nas redes sociais. O ponto grave não foi essa expressão, mas o discurso do Presidente da República", justificou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG