Jerónimo diz que PSD/CDS com menos de 50% significa que "povo português não os quer a governar"

O líder da CDU disse esta sexta-feira que o fim da maioria absoluta da coligação PSD/CDS, no domingo, significará que "o povo português não os quer a governar".

A vontade de PSD e CDS quererem continuar a governar "está posta em causa" face às sondagens que apontam para "um dos mais baixos resultados de sempre" de PSD e CDS, afirmou o líder comunista no último jantar-comício da campanha, em Odivelas.

Perante meio milhar de militantes e apoiantes, Jerónimo insistiu que "PSD e CDS estão à beira de sofrer uma pesada derrota, de verem esboroar-se o seu objetivo de continuarem no governo a destruir o país" e sem que alguém "os pudesse impedir".

"A CDU tem um ideal, tem convições, tem no seu coração e no seu pensamento os valores de Abril", por um país "mais justo e mais progressista", enfatizou Jerónimo no seu último apelo ao voto na CDU - onde "não desistimos dos valores de Abril", concluiu.

O secretário-geral comunista dirigiu-se a seguir para o Seixal, onde esta noite encerra a campanha eleitoral da CDU para as eleições de domingo.

Os dois objetivos eleitorais da CDU são obter mais de 7,9% dos votos e de 16 mandatos, e impedir a maioria absoluta da coligação PSD/CDS.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.