Jardim diz que vai "desalentado" ao Conselho de Estado

O presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, disse hoje que vai ao Conselho de Estado de segunda-feira que vai abordar o período pós-troika.

"Tenho de ir e digo-o com este ar desalentado", confirmou Jardim, em declarações à comunicação social, à margem do ciclo de conferências organizadas pela Escola D. Teodósio de Gouveia, na freguesia de São Jorge, no concelho de Santana, subordinadas ao tema "A escola - ponte entre o local e o global".

"A convocatória diz que é para análise da situação pós-troika tendo em vista a dinamização da economia portuguesa", acrescentou.

Ao abordar o tema do ciclo de conferências, Alberto João Jardim defendeu o reforço da identidade dos povos face à globalização que considerou "inevitável".

"É a afirmação da identidade que nos permite viver num mundo global mas aceitar desse mundo só aquilo que nos interessa", referiu.

Neste aspeto, salientou o papel da escola na preparação e consciencialização do que é local e específico.

O Presidente da República convocou hoje o Conselho de Estado para a próxima segunda-feira, tendo como ordem de trabalhos as "perspetivas da economia portuguesa no pós-troika, no quadro de uma União Económica e Monetária efetiva e aprofundada".

De acordo com uma nota divulgada no 'site' da Presidência da República, Cavaco Silva "convocou o Conselho de Estado para efeitos do artigo 145º, alínea e), segunda parte, da Constituição", que estabelece que compete a este órgão "aconselhar o Presidente da República no exercício das suas funções, quando este lho solicitar".

Esta é a décima reunião do Conselho de Estado, o órgão político de consulta do Presidente da República, desde que Cavaco Silva é chefe de Estado.

A convocatória de Cavaco Silva surge um dia depois de o Governo ter aprovado as condições da contribuição de sustentabilidade do sistema de pensões, também chamada de "TSU dos pensionistas", numa reunião extraordinária do Conselho de Ministros, que confirmou as condições necessárias ao fecho da sétima avaliação da 'troika'.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG