Zorrinho pede desculpa a Franquelim Alves

"Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse hoje ao DN Carlos Zorrinho, a propósito da informação por si divulgada de que Franquelim Alves estaria inibido pelo Banco de Portugal de exercer atividades no setor financeiro.

"A minha fonte é fiável. Mas não foi uma fonte primária, não perguntei ao Banco de Portugal. Não tenho nenhuma razão para achar que o dr. Franquelim Alves esteja a mentir. Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse ao DN o líder parlamentar do PS.

Na quarta-feira à noite, na SIC-Notícias, Zorrinho disse que o novo secretário de Estado do Empreendedorismo, Franquelim Alves, "é uma das pessoas que o Banco de Portugal considerou não estar em condições de deter atividades na área financeira".

No dia seguinte, o secretário de Estado disse ao DN que "isso é totalmente falso".

O Banco de Portugal (BdP) também desmentiu a informação veiculada por Zorrinho. "O dr Franquelim Alves não desempenha, desde Novembro de 2008 [quando deixou a SLN], funções sujeitas a registo no Banco de Portugal", lê-se numa nota do gabinete de imprensa do BdP enviada ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).