Zorrinho pede desculpa a Franquelim Alves

"Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse hoje ao DN Carlos Zorrinho, a propósito da informação por si divulgada de que Franquelim Alves estaria inibido pelo Banco de Portugal de exercer atividades no setor financeiro.

"A minha fonte é fiável. Mas não foi uma fonte primária, não perguntei ao Banco de Portugal. Não tenho nenhuma razão para achar que o dr. Franquelim Alves esteja a mentir. Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse ao DN o líder parlamentar do PS.

Na quarta-feira à noite, na SIC-Notícias, Zorrinho disse que o novo secretário de Estado do Empreendedorismo, Franquelim Alves, "é uma das pessoas que o Banco de Portugal considerou não estar em condições de deter atividades na área financeira".

No dia seguinte, o secretário de Estado disse ao DN que "isso é totalmente falso".

O Banco de Portugal (BdP) também desmentiu a informação veiculada por Zorrinho. "O dr Franquelim Alves não desempenha, desde Novembro de 2008 [quando deixou a SLN], funções sujeitas a registo no Banco de Portugal", lê-se numa nota do gabinete de imprensa do BdP enviada ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.