Zorrinho pede desculpa a Franquelim Alves

"Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse hoje ao DN Carlos Zorrinho, a propósito da informação por si divulgada de que Franquelim Alves estaria inibido pelo Banco de Portugal de exercer atividades no setor financeiro.

"A minha fonte é fiável. Mas não foi uma fonte primária, não perguntei ao Banco de Portugal. Não tenho nenhuma razão para achar que o dr. Franquelim Alves esteja a mentir. Se fui induzido em erro, lamento e peço desculpa", disse ao DN o líder parlamentar do PS.

Na quarta-feira à noite, na SIC-Notícias, Zorrinho disse que o novo secretário de Estado do Empreendedorismo, Franquelim Alves, "é uma das pessoas que o Banco de Portugal considerou não estar em condições de deter atividades na área financeira".

No dia seguinte, o secretário de Estado disse ao DN que "isso é totalmente falso".

O Banco de Portugal (BdP) também desmentiu a informação veiculada por Zorrinho. "O dr Franquelim Alves não desempenha, desde Novembro de 2008 [quando deixou a SLN], funções sujeitas a registo no Banco de Portugal", lê-se numa nota do gabinete de imprensa do BdP enviada ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.