Zorrinho acusa Finanças de "aproveitamento" político

Líder parlamentar socialista diz que Governo se aproveitou da sua "boa-fé", depois de ter sido conhecida a sua participação numa conferência "política" sobre a reforma do Estado.

Carlos Zorrinho acusou esta tarde o Ministério das Finanças de "aproveitamento lamentável" da sua "boa-fé e vontade de participação e cidadania", depois de ter sido conhecida a participação do líder parlamentar socialista numa conferência organizada pelo Governo sobre a reforma do Estado.

Numa carta, a que o DN teve acesso, Zorrinho informa o presidente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), Manuel Meirinho, da sua indisponibilidade para participar neste evento organizado pelo INA, instituto sob tutela das Finanças, que será aberto pelo primeiro-ministro, Passos Coelho, e encerrado pelo Presidente da República, Cavaco Silva.

"Não fui em nenhum momento informado que a organização não era uma iniciativa académica, mas uma iniciativa política patrocinada pelo Ministério das Finanças", explica o deputado socialista, apontando o dedo ao "aproveitamento" do Governo "através do Ministério das Finanças", "com a conivência aparente do ISCSP".

O presidente deste instituto da Universidade Técnica de Lisboa renunciou ao cargo de deputado pelo PSD (eleito como independente pela Guarda), para assumir estas funções. Manuel Meirinho colaborou ainda no projeto do PSD de revisão constitucional que Passos Coelho meteria depois na gaveta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...