Zorrinho acusa Finanças de "aproveitamento" político

Líder parlamentar socialista diz que Governo se aproveitou da sua "boa-fé", depois de ter sido conhecida a sua participação numa conferência "política" sobre a reforma do Estado.

Carlos Zorrinho acusou esta tarde o Ministério das Finanças de "aproveitamento lamentável" da sua "boa-fé e vontade de participação e cidadania", depois de ter sido conhecida a participação do líder parlamentar socialista numa conferência organizada pelo Governo sobre a reforma do Estado.

Numa carta, a que o DN teve acesso, Zorrinho informa o presidente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), Manuel Meirinho, da sua indisponibilidade para participar neste evento organizado pelo INA, instituto sob tutela das Finanças, que será aberto pelo primeiro-ministro, Passos Coelho, e encerrado pelo Presidente da República, Cavaco Silva.

"Não fui em nenhum momento informado que a organização não era uma iniciativa académica, mas uma iniciativa política patrocinada pelo Ministério das Finanças", explica o deputado socialista, apontando o dedo ao "aproveitamento" do Governo "através do Ministério das Finanças", "com a conivência aparente do ISCSP".

O presidente deste instituto da Universidade Técnica de Lisboa renunciou ao cargo de deputado pelo PSD (eleito como independente pela Guarda), para assumir estas funções. Manuel Meirinho colaborou ainda no projeto do PSD de revisão constitucional que Passos Coelho meteria depois na gaveta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.