Zorrinho acusa Cavaco e Governo de empobrecer o país

O líder parlamentar do PS acusou hoje Cavaco Silva e a maioria de serem "um mesmo bloco ao serviço das políticas de submissão e empobrecimento" e defendeu que o partido deve liderar "um novo rumo" para o país.

O presidente da bancada socialista, Carlos Zorrinho, que discursava durante o XIX Congresso do PS, criticou novamente a intervenção do Presidente da República na sessão solene do 25 de Abril e acusou-o de ser juntamente com o PSD e o CDS "um mesmo bloco ao serviço das políticas de submissão e empobrecimento que são impostos".

"Se o Presidente da República dividiu em vez de unir, nós temos de dar o exemplo contrário, temos de unir em vez de dividir, esse exemplo deve emergir de dentro de nós, é isso que está a acontecer e a colocar tão nervosos os nossos adversários", sustentou.

Neste contexto, Zorrinho salientou que "os portugueses têm quem os defenda" e apontou o PS como "o reduto da esperança, da mudança, da ambição, da modernidade":

"Os portugueses sabem disso e esperam muito de nós, é porque sabem disso que os portugueses nos atribuem mais responsabilidade quando o país vive momentos de crise, que não criamos e somos sempre chamados a resolver", declarou.

Antes, o antigo secretário-geral da UGT João Proença defendeu que o país precisa urgentemente de "uma aposta no emprego, nas qualificações e na melhoria das condições de vida".

Proença considerou que deve ser feita uma "mutualização de parte da dívida portuguesa" e que o PS quer "mais tempo mas não quer mais dinheiro".

"O PS é o partido da democracia, da liberdade e da igualdade, do progresso económico e social, deve ser capaz de devolver a esperança aos portugueses, exige-se uma clara mudança de políticas porque estamos fartos desta austeridade, precisamos de crescimento e emprego, de políticas viradas para o investimento produtivo", vincou.

Por outro lado, o socialista Eduardo Cabrita considerou que o PS deve bater-se por "um consenso em torno da renegociação do memorando e um acordo de estabilização da economia pelo menos até ao final da década", ao nível fiscal mas também na política de rendimentos e preços.

"O PS deve ser a resposta e a voz dos que dizem basta, o PS tem de ser o partido que, como no passado, lidera o desafio das reformas", referiu, apontando como prioritárias as reformas da justiça, do sistema eleitoral ou da regionalização.

O deputado socialista advogou que o partido deve abrir-se à sociedade com "propostas como as primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro" e realizar "um profundo estudo".

Neste contexto, Cabrita deixou um apelo à pluralidade de opiniões no PS nesta "transformação da relação com a sociedade como mobilizador", afirmando que o partido tem de "ouvir tanto o Luís Amado como o Pedro Nuno Santos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.