Zorrinho acusa Cavaco e Governo de empobrecer o país

O líder parlamentar do PS acusou hoje Cavaco Silva e a maioria de serem "um mesmo bloco ao serviço das políticas de submissão e empobrecimento" e defendeu que o partido deve liderar "um novo rumo" para o país.

O presidente da bancada socialista, Carlos Zorrinho, que discursava durante o XIX Congresso do PS, criticou novamente a intervenção do Presidente da República na sessão solene do 25 de Abril e acusou-o de ser juntamente com o PSD e o CDS "um mesmo bloco ao serviço das políticas de submissão e empobrecimento que são impostos".

"Se o Presidente da República dividiu em vez de unir, nós temos de dar o exemplo contrário, temos de unir em vez de dividir, esse exemplo deve emergir de dentro de nós, é isso que está a acontecer e a colocar tão nervosos os nossos adversários", sustentou.

Neste contexto, Zorrinho salientou que "os portugueses têm quem os defenda" e apontou o PS como "o reduto da esperança, da mudança, da ambição, da modernidade":

"Os portugueses sabem disso e esperam muito de nós, é porque sabem disso que os portugueses nos atribuem mais responsabilidade quando o país vive momentos de crise, que não criamos e somos sempre chamados a resolver", declarou.

Antes, o antigo secretário-geral da UGT João Proença defendeu que o país precisa urgentemente de "uma aposta no emprego, nas qualificações e na melhoria das condições de vida".

Proença considerou que deve ser feita uma "mutualização de parte da dívida portuguesa" e que o PS quer "mais tempo mas não quer mais dinheiro".

"O PS é o partido da democracia, da liberdade e da igualdade, do progresso económico e social, deve ser capaz de devolver a esperança aos portugueses, exige-se uma clara mudança de políticas porque estamos fartos desta austeridade, precisamos de crescimento e emprego, de políticas viradas para o investimento produtivo", vincou.

Por outro lado, o socialista Eduardo Cabrita considerou que o PS deve bater-se por "um consenso em torno da renegociação do memorando e um acordo de estabilização da economia pelo menos até ao final da década", ao nível fiscal mas também na política de rendimentos e preços.

"O PS deve ser a resposta e a voz dos que dizem basta, o PS tem de ser o partido que, como no passado, lidera o desafio das reformas", referiu, apontando como prioritárias as reformas da justiça, do sistema eleitoral ou da regionalização.

O deputado socialista advogou que o partido deve abrir-se à sociedade com "propostas como as primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro" e realizar "um profundo estudo".

Neste contexto, Cabrita deixou um apelo à pluralidade de opiniões no PS nesta "transformação da relação com a sociedade como mobilizador", afirmando que o partido tem de "ouvir tanto o Luís Amado como o Pedro Nuno Santos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?