Vítor Gaspar: "Estado social é um sucesso"

O ministro das Finanças defendeu hoje que o Estado social português "é um sucesso", com "muito mais benefícios" do que custos, anunciando o objectivo de assegurar "uma transição bem conseguida para um Estado social mais forte".

Vítor Gaspar esteve hoje numa conferência sobre o Orçamento do Estado 2012, organizado pela Distrital do PSD do Porto, tendo respondido a várias questões dos militantes sociais-democratas, uma das quais sobre a capacidade de sustentabilidade do Estado social na Europa e Portugal, que o ministro das Finanças considerou ser possível.

"O nosso Estado Social, o Estado social português não é um fracasso, é um sucesso", defendeu, ressalvando, no entanto, que "os sucessos não se sustentam a si próprios" e "têm que evoluir ao longo do tempo para terem um sustentáculo sólido".

Segundo Vítor Gaspar "esse sustentáculo sólido vai ser conseguido", afirmando ainda não ser "verdade que um Estado social não tenha capacidade para concorrer com um Estado mínimo".

"Nós somos muito mais fortes como equipas do que individualmente. Um Estado social permite-nos trabalhar em conjunto, como equipa e que nos mantém juntos", justificou o governante.

Consciente de que o Estado social "tem custos", Vítor Gaspar defendeu a ideia de que este sistema, quer em Portugal quer na Europa, "tem muito mais benefícios do que esses custos".

"Um Estado social moderno e bem desenhado não é um handicap para a concorrência, é um activo na concorrência. Um dos objectivos centrais da agenda de transformação estrutural é assegurar uma transição bem conseguida para um Estado social mais forte, sustentável, que apoie o nosso espírito de equipa", enfatizou.

O ministro das Finanças deu ainda o exemplo da sua geração, para qual "uma das forças de transformação estrutural mais fortes na sociedade portuguesa foi a transição de um Estado que tinha muitas características de um Estado mínimo para um Estado Social".

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.