União de freguesias com eleições intercalares

A União das Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande, no concelho da Feira, vai ter eleições intercalares a 28 de setembro, para constituição de nova assembleia local.

Em causa está a inviabilização da gestão de José Henriques, que, tendo liderado a lista do PSD nas últimas autárquicas, em setembro de 2013, venceu as eleições, mas sem maioria absoluta.

A escolha de um Executivo foi inviabilizada por incompatibilidades várias e, no passado mês de maio, os eleitos sociais-democratas renunciaram em bloco, o que levou a Secretaria de Estado da Administração Local a decretar novo ato eleitoral.

Para a CDU, que entregou esta segunda-feira no Tribunal Judicial da Feira a lista de candidatos liderada por Valdemar Ferreira de Pinho, o próximo dia 28 de setembro "decidirá o futuro de um dos territórios mais carenciados do concelho de Santa Maria da Feira".

Em comunicado, a coligação entre PCP e "Os Verdes" realça, aliás, que essas carências e outros problemas foram "substancialmente agravados" durante o último ano, "não só pela recente 'reforma administrativa' que afastou ainda mais os órgãos do poder local e os representantes das populações, mas também pela paralisia completa em que caiu a autarquia, fruto de desavenças pessoais e 'guerras' estéreis entre os atuais eleitos do PSD, PS e CDS".

Conjugando essa situação com "o marasmo da gestão municipal", a CDU defende que se assistiu "ao abandono do conjunto das quatro freguesias e das respetivas populações", que se deparam agora com uma "ausência gritante de capacidade para responder às suas necessidades prementes".

Quanto a Valdemar Ferreira de Pinho, cabeça-de-lista do PCP e de "Os Verdes", concorre como independente. É funcionário municipal, está aposentado e apresenta "um vasto e longo percurso de ação cívica e sindical em prol dos trabalhadores e das populações".

Outro nome já confirmado é José Henriques, que se recandidata pelo PSD e, desta vez, está "convicto de que é para ganhar com maioria absoluta, até porque, sem ela, pode voltar-se ao mesmo impasse e isso seria muito mau para estas quatro freguesias".

Entre as consequências mais negativas da não-formação de um Executivo, o social-democrata refere: "A principal é que não pudemos atribuir subsídios às associações, que, nesta situação de crise económica, estavam a contar muito com isso. Outra é que não conseguimos avançar para certas obras que eram precisas, como os asfaltamentos de estrada".

Outra lista já anunciada para as eleições intercalares é a do PS, que mantém a sua aposta no candidato anterior, David Neves, mas ainda não divulgou mais pormenores sobre a candidatura.

O CDS também deverá concorrer, mas o nome do respetivo cabeça-de-lista ainda não é conhecido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.