UGT e deputados do PS unidos em torno da austeridade

A UGT e o grupo parlamentar do PS assumiram hoje uma posição convergente quanto à situação do país e ao novo pacote de austeridade anunciado na sexta-feira pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

"Viemos dar conta ao grupo parlamentar do Partido Socialista do plano de ação aprovado no último congresso da UGT e das preocupações relativas ao momento que o país vive e às medidas de austeridade anunciadas na sexta-feira e verificámos que são convergentes", afirmou o novo secretário-geral da UGT, Carlos Silva, aos jornalistas.

A reunião entre a UGT e o grupo parlamentar do PS realizou-se esta tarde no parlamento no âmbito de uma ronda de encontros institucionais que a central sindical está a realizar para apresentar as conclusões do Congresso realizado a 20 e 21 de abril.

Carlos Silva reafirmou a disponibilidade da estrutura sindical para construir consensos, mas ressalvou que "há uma linha vermelha que não está disponível para ultrapassar" e que tem a ver com as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, nomeadamente, as rescisões e o aumento do horário de trabalho na administração pública e o aumento da idade da reforma sem penalizações para os 66 anos.

"Deve ser o Governo a dar um sinal à UGT para viabilizar o diálogo", afirmou o secretário-geral, acrescentando que caso o entendimento não seja possível a UGT terá de decidir em conformidade, em convergência com o restante movimento sindical.

No final do encontro, o líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, disse que esta reunião "foi de grande significado" porque "trata-se de duas entidades totalmente independentes, mas que convergem na análise da situação do país".

O deputado concordou que há uma linha que não é ultrapassável e defendeu a necessidade de consenso e diálogo para resolver os problemas do país, acusando o executivo de não trabalhar nesse sentido.

Antes da reunião com os socialistas, a UGT reuniu-se com o grupo parlamentar social-democrata ao qual apresentou cumprimentos da nova direção da estrutura sindical e as conclusões do Congresso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.