Touradas não são bem-vindas a Faro

O presidente da Câmara de Faro anunciou hoje o cancelamento de uma garraiada agendada no âmbito da semana de receção ao caloiro da Universidade do Algarve e declarou que os espetáculos tauromáquicos não são bem-vindos no concelho.

"Podem-se fazer iniciativas muito interessantes com animais, como o hipismo, mas o sangue e a violência não são necessários para haver espetáculo", justificou Macário Correia, em declarações à agência Lusa.

A garraiada estava prevista para quarta-feira, como atividade integrante da semana de receção ao caloiro promovida pela Associação Académica da Universidade do Algarve.

"Eu chamei a atenção da direção da Associação, que tem um presidente muito sensível e muito compreensivo, e ele percebeu que não havia por parte da Câmara nenhuma simpatia pelo facto e que poderiam encontrar outras soluções imaginativas", disse o autarca à Lusa.

Macário Correia assumiu a responsabilidade da não concessão de licenciamento, que definiu como uma prerrogativa sua.

"Essa é uma atitude que eu devo ter, protegendo os interesses dos seres vivos", disse, manifestando-se contra a possibilidade de, no futuro, haver qualquer tipo de espetáculo tauromáquico no concelho de Faro, em nome da defesa dos direitos dos animais.

Entretanto, o movimento Algarve pela Abolição da Tauromaquia (AAT) revelou hoje que pediu a Macário Correia que não autorizasse a garraiada e congratulou-se pela decisão final da autarquia.

A Associação, que se define como "movimento informal de cidadãos", observa que, graças ao não licenciamento, "uma vaca bebé não vai ser 'garraiada' ao bel-prazer de um grupo de pessoas que de 'formação superior' deixam tudo a desejar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.