Sondagem DN: PS no limiar da maioria absoluta

O PS ganha com 45% dos votos e fica "à beira da maioria absoluta" se as eleições legislativas fossem agora. PSD fica a 17 pontos percentuais.

Os resultados são de uma sondagem da Universidade Católica para o DN, JN, RTP e Antena1 divulgada esta sexta-feira.

"Uma distribuição de votos como a estimada neste barómetro significaria muito provavelmente uma maioria absoluta para o PS", considera o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Católica.

O CESOP assinala, contudo, que "esta sondagem não permite fazer uma previsão da distribuição de deputados". Depois lembra que a maioria absoluta do PS em 2005 foi conquistada com 45% dos votos, os 44% obtidos em 2009 foram insuficientes.

Face à sondagem de abril de 2014, a diferença entre PS e o PSD passa de seis para 17 pontos percentuais, dado que os sociais-democratas recolhem 28% dos votos.

O PSD perde dois pontos percentuais em relação à sondagem de abril.

O CDS/PP tem 4% dos votos (os mesmos de abril), pelo que os partidos da coligação no Governo ficam com 32% dos votos.

A CDU (PCP e Verdes) fica em terceiro lugar, com 10% dos votos e perdendo dois pontos percentuais face a abril passado.

O BE, em quarto lugar e com os mesmos 4% dos centristas, é o mais afetado pela subida dos socialistas pois perde três pontos percentuais face aos resultados de abril.

Com 20% dos inquiridos a dizer que ainda não sabem se votam (21% em abril) e 18% a afirmar que não votam (21%), os votos brancos e nulos chegam aos 5% (contra 7% em abril passado).

Oito por cento dos inqiuridos recusam responder, mais um ponto percentual que em abril.

Ficha técnica:

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP-Universidade Católica Portuguesa para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 11, 12 e 13 de outubro de 2014. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental. Foram selecionadasaleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que os resultados eleitorais das últimas eleições legislativas nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia. Foram obtidos 1064 inquéritos válidos, sendo 62% dos inquiridos do sexo feminino, 36% da região Norte, 18% do Centro, 31% de Lisboa, 8% do Alentejo e 7% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral e do Censos 2011. A taxa de resposta foi de 66%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1064 inquiridos é de 3% com um nível de confiança de 95%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.